As estrias são um pesadelo na vida das mulheres e também acometem, em menor proporção, os homens. Realmente as estrias são mais prevalentes no sexo feminino e estão diretamente relacionadas a períodos de alterações hormonais, como a puberdade, gestação e obesidade.

 As estrias são mais frequentes nas gestantes adolescentes quando comparadas a mulheres adultas grávidas em decorrência da soma de componentes hormonais nas adolescentes grávidas. Outros fatores que desencadeiam a formação de estrias são o ganho de peso, o uso de corticoides e o aumento abrupto de massa muscular.
Na puberdade, normalmente as estrias aparecem na face lateral dos quadris e coxas e na região lombar. Nas gestantes, geralmente se distribuem no abdome, mamas, circundando a cicatriz umbilical, podendo acometer também a região glútea, coxas e flancos, quando a gestação é acompanhada de ganho excessivo de peso. As estrias, quando de coloração vermelha, ainda podem ser revertidas, mas quando brancas são lesões irreversíveis e, portanto não existe um tratamento que faça a pele voltar ao que era antes. Os tratamentos visam melhorar, o aspecto das lesões, estimulando a formação de tecido colágeno subjacente e tornando-os mais semelhantes à pele ao redor. Para isso várias técnicas podem ser empregadas, tais com peelings superficiais, microdermoabrasão, laser e intradermoterapia. A boa notícia é que estas técnicas melhoram muito a aparência da pele.